Madame Kardec

Marcado: , ,

 Madame

Como diz o ditado popular “Ao lado de um grande homem existe uma grande mulher”.  Tal atribuição pode ser associada à figura de Amélie Gabrielle Boudet, ou madame Kardec.  Companheira de Allan Kardec representou um papel muito importante na história do Espiritismo, oferecendo valorosa contribuição na estruturação e desenvolvimento da Doutrina Espírita.

Mas quem foi essa mulher forte e extraordinária que caminhou lado a lado do codificador da Doutrina Espírita? Impossível descrever em poucas linhas a vida em detalhes e profundidade  de Amélie Boudet.

A professora de arte e poetiza,  nasceu em 23 de novembro de 1795 em Thiais, cidade do menor e mais populoso Departamento francês – o Sena. Casou-se com Allan Kardec  em  1832, tendo iniciado sua  trajetória  de amor e parceria que duraria mais de quarenta anos, primeiramente na tarefa educacional no Instituto Técnico fundado por Rivail, baseado nos métodos de seu professor Pestalozzi, depois colaborou para que a obra pedagógica de Allan Kardec ganhasse prestígio, sendo adotada inclusive na Universidade da França.

Não foi diferente no caminho de divulgação do Espiritismo, tempos depois Amélie tornou-se grande incentivadora na tarefa de propagação do conhecimento espírita e assim se manteve,  vencendo inúmeros obstáculos, dando continuidade ao legado iniciado por seu esposo e companheiro, com o falecimento de Allan Kardec, em março de 1869. E seguindo os planos do codificador, criou a Sociedade Anônima do Espiritismo, instituição que levou adiante a divulgação doutrinária, a administração da Revista Espírita e da livraria.

Madame Kardec levou a frente sua missão até seu desencarne em 21 de janeiro de 1833, aos 87 anos de idade.

Para  se aprofundar  na relevância de Amélie Boudet na história do Espiritismo, sugerimos a leitura da obra Madame Kardec- A história que o tempo quase apagou.

Gostou? Compartilhe com seus amigos:

One Comment

  1. Sandra

    O interessante é que nunca tinha ouvida falar dela.

    Bem que eu desconfiava que tinha que ter uma alma

    feminina para fortalecer a trajetória de Kardec.

    Adorei a abordagem, parabéns.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado e nem divulgado. Campos obrigatórios estão marcados com o asterisco (*).